♪ E aí, broto? ♪

Ilustração feita com exclusividade por Bárbara Malagoli (a.k.a. Baby C)

A música de 2015 poderia aprender muito com a música dos anos 70. Enquanto nos dias de hoje cada artista se vende como uma marca, com público-alvo definido e uma construção de imagem impecável, na época do funk, boogie e disco, o artista em muitos momentos saia de cena e deixava o ritmo falar mais alto. Não era sobre uma ou outra personalidade específica, sobre ganhar uma grana ou ficar famoso. Era, acima de tudo, sobre manter o ritmo de forma constante, sobre afinar um groove ao ponto dele se tornar irresistível, sobre emoções mais primordiais, sobre a inexplicável vontade de dançar.

Talvez tenha sido a influência hippie. Talvez seja a noção de ritmo ancestral dos descendentes da África, a genética naturalmente sincopada. Mas é inegável que o funk é a música mais hedonista de todas. Hedonismo inocente e construtivo. Milhares e milhares de músicos anônimos, engajados no prazer de fazer uma sonzeira pesada, propagando boas vibes pra quem puder ouvir. E isso é imediatamente acessível.

Temos que agradecer a internet por nos levar nesse túnel do tempo até essa época mais simples, mais romântica, onde a música fluía como energia e não como produto. Sem ela, poderíamos deixar passar pérolas de gente como Gwen McRae, Peter Brown e Fern Kinney. Essa playlist é uma homenagem ao sentimento leve que é se sentir bem e querer dançar, uma das coisas que une eu e vocé, que identifica a todos nós como membros desse club chamado raça humana. Aumente o som e dance.

Ilustração feita com exclusividade por Bárbara Malagoli (a.k.a. Baby C)

Tags relacionadas
,
Mais de Bárbara Malagoli

mini vida

O Japão (e eu) tem uma obsessão com todas as coisas kawaii...
Leia mais
  • Carol Mello

    q gotosi