Mulheres que escrevem

Tem algum tempo que tento me assumir como escritora. Mas afirmar essa identidade diante dos outros me provoca um intenso complexo de fraude. Sinto que a qualquer momento alguém pode duvidar de mim e apontar todas as minhas falhas. No entanto, também tem algum tempo que decidi que não preciso de aprovação alheia. Ainda que ser admirada seja algo ótimo, é apenas uma sensação passageira e incapaz de sustentar minha felicidade. No fim do dia, mesmo que ninguém me leia ou aprecie, eu vou escrever. Então, afirmar com todas as letras que sou, sim, escritora, tem sido uma tentativa difícil, mas importante.

Tornou-se ainda mais importante quando percebi que minhas angústias pertencem, na verdade, a um inconsciente coletivo que eu diria que é especialmente um inconsciente feminino. Porque, afinal, a materialidade histórica de séculos de silenciamento ainda impõe opressões físicas e psicológicas sobre nosso gênero. Minhas amigas, Amanda Palmer e Aline Valek são algumas das mulheres que já falaram sobre os tormentos do complexo de fraude. Em 1928, Virginia Woolf afirmava que para ser escritora era necessário um teto e uma renda própria, mas eu, pessoalmente, acredito que também é preciso uma boa dose de autoestima e de um grupo de apoio, ou seja, das migas. Quanto mais exponho minhas dúvidas, mais companheiras encontro. Pensando essa urgência como uma questão de gênero surgiu a vontade de ter um espaço para que escritoras possam se conhecer, conversar e transformar as inseguranças em criação. Foi assim que surgiu a Mulheres Que Escrevem uma newsletter organizada por mim e a jornalista – e minha bff – Natasha Ísis, mas (assim nós esperamos) alimentada por muitas outras escritoras.

 
12041781_1206986039317389_510573074_n
 
A ideia é que a newsletter seja um lugar para refletir sobre nosso ofício, compartilhar nossos textos e também como se desenvolve nosso processo criativo. Mas nossa intenção é que tenha um tom de um café ou um boteco gostoso, ou seja, apesar de termos um ponto de partida estamos contando que o tópico da conversa seja desvirtuado e se transforme, porque, afinal, conversa boa tem sempre um movimento imprevisível. Escolhemos o formato da newsletter justamente porque acreditamos no poder de um ambiente mais intimista, em vez de um textão pronto, enviamos uma email e um convite para uma troca.

Então, bora escrever com a gente?

 

Arte do “Mulheres Que Escrevem” por Dora Leroy.
Foto de capa: Clarice Lispector clicada por Claudia Andujar.

Tags relacionadas
, ,
Escrito por
Mais de Taís Bravo

Um cara de confiança

Texto originalmente em inglês publicado no Medium, por Priya. Tradução e comentário:...
Leia mais
  • Alecrim Crim

    Menina, vou te dar um conselho. Tudo o que tu fizer com prazer, já basta. Ninguém conseguiu escrever algo de valor se ficou se preocupando com o que os outros vão achar, ou se vai render frutos, ou se iriam o/a respeitar o escrito/escritor.
    As coisas que importam na vida não foram criadas pensando em agradar ninguém. Tudo o que existe na arte, na natureza, foi criado simplesmente por pura diversão e prazer.
    Se você escreve pra si mesma e se diverte com isto, então basta. Se você escreve pra si mesma e sente realização no que fez, então basta. Se alguém além de ti achar interessante o que tu escreve, é algo a mais, mas não é fundamental e não deve ser o foco.
    Muito provavelmente se ninguém te reconhecer agora, você pode ser uma gênia incompreendida no seu tempo e depois de morrer será tida como uma grande escritora/artista. Hahahahaha!
    Ao menos é o que eu penso quando crio/componho/pinto/escrevo.
    Já estamos satisfeitas de nos martirizarmos e nos vitimizarmos enquanto mulheres. Já é tempo de reconhecermos que a capa de vítima passou e que agora podemos assumir o nosso poder. O poder que temos em nossas vidas. Seus pensamentos criam sua realidade.

    Boa sorte!

  • Alecrim Crim

    Em tempo: acho ótimo termos um espaço para nos unirmos. E acho mais legal ainda que alguma coisa negativa como a opressão e etc tenha servido para inspirar-nos a nos organizarmos e criarmos em cima disso algo proveitoso!

    Te convido a conhecer meu site, e em breve estarei publicando trechos de um livro meu, ou de uns livros meus. Só me falta vencer a preguiça e dar andamento nos livros, hahahaha…

    http://www.alecrimcrimcrim.wix.com/alecrim

    Grande beijo!

  • Pingback: 2015, o ano em que só li mulheres | Ovelha()

  • Pingback: Boneca de Platina | Bruna Aureliano » Arquivos Os links mais legais do mês #6 - Boneca de Platina | Bruna Aureliano()