Poderosas e sem vergonha no pole dance

Ilustração feita com exclusividade por Thais Erre

“Ah, é aquilo que as strippers fazem?”

Foi o que o professor do curso de alemão indagou Andressa ao ouvir que a estudante de Química Industrial da UFRJ praticava pole dance como hobby. Envergonhada, diante dos colegas que expressavam seu espanto com caras e bocas, imaginando o que a garota devia fazer pendurada num poste, Andressa tentou explicar que aquilo era um esporte como outro qualquer. “Tem até campeonatos mundiais. Até na Alemanha…”, argumentou. Hoje confessa que talvez tivesse tido outra reação diante da turma que, ao ouvir as palavras “pole dance”, já pensou ter uma colega que trabalhava em um strip club. “Eu sempre tentava mostrar que não era só uma dança sensual, que era esporte também. Isso foi um erro, eu acho. Temos que acabar com esse preconceito de que a parte sexy é algo que denigre a imagem da mulher”.

 

Andressa mostrando que pode mesmo!
Andressa mostrando que “Sim, nós podemos” contra o preconceito
 
Na minha cabeça, e na de muitas pessoas, o pole dance sempre foi uma prática ligada à sensualidade. Sempre achei isso lindo, exatamente porque as mulheres que praticam sempre me pareceram tão seguras e empoderadas… Mas claro que nem todo mundo vê a sensualidade do pole dance como algo positivo. Muito pelo contrário, e é esse preconceito, como o que Andressa sofreu em frente do curso de alemão, que está prejudicando o pole dance como é conhecido.  Para não lidarem com a “vergonha” de serem associados com strip clubs, se criou entre as/os praticantes de pole uma forte corrente que tenta negar as raízes sexy e influências das strippers – justamente as mulheres que fizeram a prática/dança/esporte (como se preferir chamar) popular.

 

Michelle Shimmy é uma das pole dancers mais famosas na Austrália. Foto de Kris Micallef
Shimmy é uma das pole dancers mais conhecidas na Austrália. Foto de Kris Micallef
 
A australiana e pole dancer Magan Joan publicou recentemente um texto no site da Peacock Polewear, em que questiona todo esse slut shamming na própria comunidade de pole dancers e, como argumento, defende o uso de salto altos para dançar. “Você já ouviu falar que o pole fitness descende do pole dance indiano ou chinês? Se sim, você provavelmente foi enganado. A maioria dos estúdios de pole dance foram criados por strippers. Na Austrália a maior parte deles era (de strippers), o que provavelmente é a razão para a grande e magnifica comunidade de pole sexy (no país)”.

Se você ainda não deu um Google em “australian pole dance” esse é o momento. Elas ahaaazam, principalmente no quesito sensualidade. No Miss Pole Australia, as competidoras não têm medo de rebolar o popozão, tirar a roupa e abusar do seu lado sexy nas coreografias, como mostra Michelle Shimmy, advogada e uma das mais famosas pole dancers do país. Junto com sua irmã, Maddie Sparkle, Shimmy criou a Pole Dance Academy, em Sidney. No site da escola, elas descrevem seu estúdio como um lugar onde todas podem se sentir confortáveis e sexys. Para elas diversão e sensualidade estão diretamente ligados. Assim como para muitas outras praticantes dessa linha mais picante, digamos assim.

 

 
Existem diferentes tipos de pole dance. A carioca Carol Martins, estudante de Psicologia da UFRJ e professora de pole dance, conta que começou no pole fitness há dois anos e meio, um tipo de pole que foca mais nos movimentos difíceis, na força corporal e na aparência física. É diferente do pole contemporâneo (ou pole art), que tem elementos da dança contemporânea, e está ainda mais distante do pole exotic, que é o que se popularizou com as strippers.

 

O preconceito contra o salto alto e o short de paetê

Foi dentro do pole fitness que se criou essa linha que tenta eliminar os movimentos extremamente sexys da prática, para que ela se torne um esporte e seja levada a sério. Por isso, no pole fitness, não se usa salto alto, nem shorts mega curtos ou chamativos. Também não se rebola estilo Nicki Minaj ou Valesca Popozuda. Essa preocupação com o “não ser sexy” é questionada por Megan Joan, em seu texto, e também por Carol. “Ao invés de tentar naturalizar esse lugar da stripper, que é o que a gente devia estar buscando, a gente está estigmatizando mais ainda essa profissão. Eu mesma, quando comecei, falava pras pessoas ‘eu faço pole dance, mas eu não sou stripper não, tá?’. Eu já chegava na defensiva, porque estava imersa em um meio em que era necessário desconstruir essa imagem da stripper o tempo todo. Depois eu fui ver que eu estava muito presa nesse discurso engessado. Por que, afinal das contas, qual é o problema em ser stripper?”. (Breve parêntese: esse texto não é sobre a prática do strip-tease, mas como foi mencionada muitas vezes, senti que deveria me manifestar e compartilhar da opinião de Carol: se uma mulher se sente sexy o suficiente, segura o suficiente e QUER trabalhar tirando a roupinha, então por que não deixar ela fazer isso em paz? Bora parar de condenar essa profissão…)

O início desse slut shamming entre a comunidade pole dance não veio exclusivamente de quem pratica, mas de quem, como os professores e colegas de Andressa, olham para as pole dancers como se elas fossem mulheres prontas para tirar a roupa, fazer movimentos sensuais e ficar à disposição dos olhares masculinos. E esse julgamento vem de todos os lados.

 

Carol Martins fazendo pole dance na natureza
Carol Martins fazendo pole dance na natureza
 
Carol e Andressa já sofreram muito com comentários de familiares, colegas de faculdade e semi-conhecidos quando ficam sabendo que as duas cariocas são pole dancers. “Já conheci gente que perguntava se eu tinha começado a dançar pra agradar meu namorado ou caras em baladas que perguntavam se eu podia fazer uma apresentação particular pra eles. Muito absurdo!”, relata Andressa. Além disso, sempre escutam críticas por postar suas fotos e vídeos das aulas de pole no Facebook. “Já me perguntaram se eu não tinha medo das pessoas acharem que eu era prostituta! Ou perguntam como meu namorado “deixa” eu fazer isso”, conta Carol, também obviamente indignada.

A reposta das duas paras tantos comentários absurdos é simples. Elas enchem o peito e revelam o motivo que as levou ao pole dance: se sentir bem consigo mesmas, para dançar, se divertir, estar bem com seus corpos. Ou seja, ambas praticam o esporte/a dança exclusivamente por elas mesmas. “E não pra ficar dançando pra macho!”, como brinca Andressa.

Essa convicção no discurso veio com o tempo e com a experiência. Hoje, Carol é professora em um estúdio de pole dance no Rio de Janeiro e conta que muitas de suas alunas (mulheres de todas as idades e jeitos) chegam ali com o objetivo de dançar para os maridos/namorados/parceiros, mas que isso vai mudando com o tempo. Conforme elas vão criando confiança em seus corpos e em seu lado mais safadinho.

 

Meu corpo forte e lindo

Sempre vi nas minhas amigas que praticam pole dance muita empolgação com o esporte e segurança e si mesmas. Imagino também que seja bem difícil se pendurar num poste de cabeça pra baixo sem ter confiança no próprio corpo e paixão pelo que faz.

E o pole dance é all about it. É sobre você deixar seus medos de lado. É sobre deixar sua zona de conforto e se encarar em posições, roupas e movimentos que talvez não fizesse na frente dos outros ou nunca tivesse pensado ser capaz de fazer. Acho que pole dance também é um pouco sobre o “ligar o foda-se e ser feliz”, não se importando com os olhares alheios.

Um exemplo de mulher confiante com sua aparência, dançando pole dance e sendo sexy as hell, é a britânica Emma Haslam, que deixou os jurados do Britain’s Got Talent de boca aberta. Emma entra no palco usando uma malha colada, cavada nas laterais da barriga, e se refere a si mesma como uma “big lady” que quer mostrar as pessoas que é boa no que faz. O fato de ser uma “big lady” não parece ser um problema para Emma em nenhum momento no palco.  E talvez não seja na vida real também. Talvez por causa do pole dance? Posso acreditar que o fato de praticá-lo ajudou Emma Haslam, assim como para muitas outras mulheres, a fazer as pazes com sua aparência.

 

 
Em Carol, o pole dance também teve esse efeito positivo: “Ajuda muito com a autoestima, porque você fica se sentindo poderosa!”. Por ter movimentos muito difíceis, cada vez que uma iniciante consegue executar um deles, naquele momento, ela se sente a pessoa mais foda do universo. E com certeza, ela está sendo muito foda ao fazer os giros, escalar o poste e se coordenar com as coreografias. “Você consegue fazer todas aquelas coisas difíceis, então você vê que teu corpo é capaz. E gente não dissocia muito o corpo com o psicológico, então o empoderamento tá ligado com o fato de se ter um corpo capaz. Isso faz você ver que é capaz também de outras coisas”, observa Carol.

Mas não só a força do corpo faz a mulher se sentir poderosa. Todo o contato que a prática proporciona com a sensualidade abre várias portas para a percepção do próprio corpo como lindo e sexy.

“Eu não tenho a auto estima das mais elevadas e sempre tive vergonha do meu corpo. Conforme foram passando as aulas eu fui me soltando cada vez mais. Você não precisa ser magra, atlética, etc pra fazer pole dance”, conta a estilista de 25 anos, Carô Inoue. Boa forma ou idade não são importantes para fazer pole dance. A designer Thais Erre, também ilustradora do Ovelha, conta que no estúdio onde faz pole dance há mulheres de todas as idades e tipos de corpo. “E a gente acaba se deparando com a nossa própria imagem em meio a muitas outras possíveis, e todas lindas, saudáveis, se exercitando e conseguindo fazer coisas muito difíceis e legais”, relata Thais.

 

Bendy Kate em competição mundial de pole
Bendy Kate em competição mundial de pole
 
O pole dance é um esporte/uma dança em que você é obrigada a encarar seu próprio corpo, com seus defeitos e qualidades. E conhece-lo talvez de outra forma. Para Thais, o fato de ter que se encarar em roupas curtas e em posições não usuais fez toda a diferença na aceitação de seu corpinho: “Como a gente faz as aulas usando muito pouca roupa, só um top e um shortinho que ao longo do tempo você percebe que quanto mais curto mais fácil de executar certos movimentos, você acaba sendo “obrigada” a se ver semi-nua constantemente, e em posições que nem sempre são as que você gostaria de ver em uma foto. Isso fez toda a diferença pra mim, minha auto confiança aumentou muito e hoje em dia eu digo com toda a certeza que gosto muito do meu corpo, aprendi a gostar dele do jeitinho que ele é”.

Depois de ouvir tantos relatos das poderosíssimas praticantes de pole dance, me deu até vontade de começar a fazer aulas de uma vez. Só falta perder o medo de não se quebrar com os primeiros movimentos (confesso que não sou muito coordenada). Quem quiser um pouco de inspiração para me acompanhar nessa empreitada, aqui estão alguns links de outras feras no pole.

A Carô Inoue recomendou o pole art de Bendy Kate e Oona Kivelä que é outra pegada do que as das australianas do início do post.

 

Bendy Kate


 

Oona Kivelä


 
Outra fera mundialmente conhecida é a ucraniana Anastasia Sokolova que, inclusive, já esteve no Brasil, dando Workshops de pole dance.

 
Anastasia Sokolova_Instagram
 
No Brasil, ainda não temos muitos nomes específicos no pole dance, até pela diferença entre vertentes. Então mais uma motivação pra gente, né gurias?!
 

Ilustração feita com exclusividade por Thais Erre.

Escrito por
Mais de Débora Backes

Conheça: As ecobags da Colibrii

Mesmo nascida e criada em Porto Alegre, eu nunca coloquei os pés...
Leia mais