Assista: Strong Woman Do Bong Soon

Bong Soon é uma garota que possui uma super-força e por isso acaba trabalhando como guarda-costas do CEO de uma empresa de jogos

Ah, doramas! Já recomendamos na Ovelha a série Hello My Twenties (Age of Youth), que foca no relacionamento de cinco jovens mulheres vivendo juntas em uma república. Agora a recomendação também é bastante girl power: Strong Woman Do Bong Soon!


 
Strong Woman Do Bong Soon (힘쎈여자 도봉순) é outro dorama da emissora JTBC e tem apenas 18 episódios. A trama conta a história de Do Bong Soon (interpretada pela atriz Park Bo Young, que também atuou no dorama Oh My Ghostess), uma jovem doce, amável e forte. Não porque ela tem força de vontade, nem força de espírito. Ela é fisicamente forte – absurdamente forte. Mesmo sem aparentar. Ela é capaz de quebrar qualquer coisa sem esforço, o que a faz um tanto desajeitada. Logo no início descobrimos que essa força é de nascença e hereditária. Está em todas as mulheres da sua família há gerações e gerações (girl poweeeeer). E já que ela não pode ficar demonstrando sua força por aí, ela joga videogame para ser, ao menos virtualmente, uma heroína. Seu sonho é poder criar um jogo com uma protagonista que tem uma super-força como ela.


 
Bong Soon é uma personagem cativante, alegre e fofa. Ela tem uma queda pelo seu amigo de infância, o policial In Gook Du (interpretado por Kim Ji Soo, que também atuou em Fantastic). Só que ele não dá a mínima para a nossa heroína, pois prefere garotas elegantes e delicadas – coisa que nossa Do Bong Soon não é. Mas ela não deixa de babar por ele e de tentar chamar sua atenção, sempre ajeitando a franja e mudando o jeito de falar com ele.

Logo no primeiro episódio chega o momento em que a força de Bong Soon é notada publicamente: ela acaba se envolvendo em uma discussão com uns trabalhadores mal-encarados de uma construtora e, para se defender, acaba batendo em todo mundo. Quem testemunha tudo é Ahn Min Hyuk (interpretado pelo Park Hyung Sik, que também atuou em Hwarang), CEO de uma famosa empresa de games. E com isso, nossa Do Bong Soon consegue finalmente arranjar um emprego. Não como desenvolvera de jogos, mas como guarda-costas do arrogante presidente, que está sendo ameaçado por uma pessoa misteriosa.

A química entre os dois é muito divertida e interessante. Ahn Min Hyuk é mimado e provocador e a Bong Soon odeia levar desaforo pra casa, mas topa fazer o que o presidente pede pois, além do (ótimo) salário que foi oferecido pelos seus serviços de proteção, também foi prometida a chance de entrar pro time de desenvolvimento de jogos da empresa.


 


5 motivos para assistir Strong Woman Do Bong Soon

 

1. Uma protagonista super-heroína (e gamer)

Strong Woman Do Bong Soon é um K-Drama protagonizado por uma mulher, que tem uma super-força e que se interessa por games. Só isso já faz a série digna de atenção, porque infelizmente isso ainda não é comum de se ver. Além disso, é notável pontuar que, apesar do contexto super-herói de Bong Soon, ela é uma personagem que muitas de nós podemos nos relacionar. Ela tem dificuldade em descobrir o que ela quer fazer da vida, é um pouco preguiçosa, esquentada e muito sonhadora. Ela também tem alguns problemas com a mãe, que é muito dura com ela e sempre a pressiona para casar e dar um rumo na vida que correspondam suas expectativas. Esses dilemas são aspectos que tornam a personagem mais real e relacionável. Aproveitando o bom momento das super-heroínas com Mulher Maravilha nos cinemas, envolva-se em mais girl power com nossa Bong Soon!


 

2. A inversão de papéis de gênero

Ter uma protagonista forte e cheia de si vai contra o estereótipo da donzela frágil que precisa ser protegida. Mas não peara por aí. Ao invés de derreter de amores por Min Hyuk assim que o conhece, ela dá uma bela esnobada nele. E, em seu primeiro dia como guarda-costas do Presidente, ela o acompanha em um dia de compras – outra inversão de clichês de gênero. Além disso, é uma das primeiras vezes que um personagem homem diz a todo o momento que está com medo ou que se sente sozinho, como Min Hyuk diz buscando a companhia e proteção da Bong Soon.

Quadrinho feito por @ahpheng8

3. A química entre os atores

Os personagens de Strong Woman Do Bong Soon são todos adoráveis. Mas devo dizer que o casting fez a diferença. Os atores Park Bo Young e Park Hyung Sik estão ótimos juntos. É divertido e bonito ver a relação entre os personagens evoluir ao longo dos episódios, a interpretação deles é sensacional. Muitas caras e bocas, jeitinhos de falar, expressões amáveis e memoráveis. Essa química se estende também para a relação dos rapazes: Park Hyung Sik e Ji Soo vivem um bromance REAL. Os personagens secundários também são marcantes, deixando a atmosfera da série ainda mais única e especial… como Do Bong Ki (interpretado por Ahn Woo Yeon), o irmão gêmeo de Bong Soon. FOFO!
 

4. É um Thriller e Comédia ao mesmo tempo

Além da atmosfera divertida e cômica, estamos falando aqui de uma mulher com uma super-força. Então é ÓBVIO que precisamos de um mistério e de um vilão! Os episódios são divididos em momentos de extrema tensão e outros hilários.
 

5. Detalhes que fazem tudo ficar ainda melhor

A fotografia desta série é muito bonita: da paleta de cores à cenografia do bairro e da loja de tortas. O figurino também vai fazer qualquer pessoa coçar de vontade para ter os casacos estilosos da mãe da Bong Soon, os hoodies super cool do Presidente e praticamente todos os looks da protagonista. Ah, e também tem a tilha-sonora chiclete e fofinha. E as comidas? Os personagens comem o tempo todo sorvetes, tortas, lamen e até… pés de galinha apimentados. Além disso tudo é de derreter o coração o relacionamento da Bong Soon com seu pai, seu irmão e com sua melhor amiga. São aquelas pequenas coisas que fazem a série ser ainda mais legal! ♡

Aliás, o café dos pais da Bong Soon, que na série chama Dobong Walnut Bakery, existe de verdade! O nome real é Plate B (플레이트B).
 

Enfim!

Strong Woman Do Bong Soon é uma série divertida, bastante exagerada e um tanto cafona. Tem plot holes? Tem. Tem problemas pra gente problematizar? Ô, tem sim. Mas é garantia de muitas risadas. Não tem como não morrer de amores com a Bong Soon! Corre dar o play no primeiro episódio antes de continuar lendo, porque agora vou comentar alguns detalhes sobre a trama ;)


 

Senta que lá vem Spoiler!

A partir daqui só lê quem já assistiu a série!
 
Essa série é muito queridinha. Não é perfeita, okay. Mas teve tantas coisas legais, nos apegamos tanto aos personagens! E também poderia ter sido tanta coisa que não foi e não será mais… enfim! Bora discorrer um pouco sobre algumas coisas de Strong Woman Do Bong Soon que não podemos deixar de comentar.
 

Ser mulher é dureza (a não ser que você tenha super-poderes)

Strong Woman Do Bong Soon tenta fazer justiça às mulheres, aproveitando uma onda feminista cada vez mais em ascensão e evidência. Mas o que vemos na série é que, se você é uma mulher que não tem uma super-força, vai continuar sendo vista como frágil e indefesa, alvo de agressores. Bong Soon salva muitas “donzelas em perigo”, do metrô ao cativeiro do psicopata. O “girl power” está centralizado no super-poder da protagonista e isso não empodera as mulheres como um todo. Como a própria Bong Soon diz a Min Hyuk ao ganhar a queda-de-braço: “Não se sinta mal por perder para uma garota. Eu sou um caso especial.”


 

Opções de shipping complicadas

Doramas costumam apresentar uma história de fundo que centraliza os personagens em um possível romance. E esse “amor” costuma ser conflituoso, como por exemplo, da protagonista cegamente apaixonada por um cara que a esnoba, ou com uma dinâmica hierárquica entre a protagonista e seu interesse amoroso. Strong Woman apresenta estas duas situações.

Bong Soon é apaixonada por seu amigo dos tempos de colégio, Gook Du. Mas ele sempre falava com ela como se fosse um pai autoritário, dando broncas, levantando a voz. Tudo porque “se preocupa com ela”. Até como amizade essa relação não funciona muito bem, eles não conversam, ela só levava esculacho do policial. Acredito que víamos apenas um recorte da relação dos dois proposital, para o público não “shippar” tanto os dois e dar mais espaço para Min Hyuk. Porque fica difícil torcer para que a protagonista fique com alguém que mal a enxerga e só dá puxões de orelha, né?

Já o presidente Min Hyuk inicialmente se coloca como o típico homem rico arrogante com uma relação patrão-empregado com Bong Soon – que é colocada pela série como caprichos de alguém apaixonado para ter seu amor sempre pertinho, quando na verdade é bastante hierárquica. Por exemplo, ele se aproveita da promessa que fez para Bong Soon de colocá-la no time de desenvolvimento, mas o que o Presidente faz, por diversas vezes, é desiludí-la fazendo as coisas nos seus termos, a enganando enquanto renova suas promessas para continuar com ela ao seu lado, tentando convencer Bong Soon que suas atitudes são para seu bem.

Claro que, ao longo da série vemos que a relação dos dois muda e melhora conforme vamos conhecendo melhor Min Hyuk e ele confessa seu amor – mas tá aí outro momento que me deixou desgostosa: muitas vezes ele fica fitando diretamente Bong Soon e ela se mostra incomodada e confusa com isso ao invés de corresponder romanticamente (como aquele vídeo do Honest Trailers que faz uma paródia com os olhares trocados pelos protagonistas da triologia Twillight). Ele insiste que gosta dela e pede para que ela o ame, mas ela demora a demonstrar que gosta dele. Pareceu que “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”, não sei.

Óbvio gente, os atores tem uma química ótima (a equipe toda até suspeitava que os dois atores estivessem mesmo tendo um caso) e há inúmeras cenas ultra fofinhas dos dois. Mas são coisas que faz bem prestar atenção e não simplesmente engolir qualquer coisa como “relationship goals”. Só pra quebrar minha problematização, compartilho uma das cenas fofinhas entre os dois:

E um compiladinho de cenas fofas:

 

Timing é tudo

É uma pena que não tivemos a oportunidade de conhecer mais Gook Du. Uma coisa que aprendemos em Strong Woman é que timing é tudo (aliás, é o próprio nome do episódio). Tantos anos para eles se declararem e nada. A oportunidade foi embora e suas vidas tomaram rumos diferentes. Senti uma dor real quando Bong Soon o jogou no friendzone. Como não sofrer com a cena toda da declaração, ainda mais quando Gook Du desaba de chorar no carro. Mesmo com o conformismo de que eles serão apenas bons amigos, dá uma dó de pensar o que poderia ter sido e não foi.

 

Uma mãe e esposa bastante abusiva

Logo de cara a trama deixa bem claro que a mãe de Bong Soon, Hwang Jin-yi (interpretada por Shim Hye Jin), é uma chata abusiva e interesseira. Já o pai é um amorzinho de pessoa, mas está em uma posição submissa aos caprichos da esposa. Ela não o trata com carinho em nenhum momento. Ela só faz cobranças e o humilha em frente aos funcionários e clientes da loja. Porém, ela protagoniza cenas de ciúmes e possessividade quando a cliente e mãe de Gook Du conversa com seu marido, que não deixa quieto e vai tirar satisfação.

Essa situação desconfortável e problemática chega num ápice terrível, quando no episódio 8 eles têm uma discussão em que Do Chil Goo (interpretado por Yoo Jae Myung) desabafa que não a aguenta mais. A cena corta e, em seguida, o vemos com um olho roxo, a boca machucada e o cabelo bagunçado, trabalhando.

Qual foi a intenção da cena? Apontar uma problemática ou uma intenção absurda de achar graça na inversão da violência de gênero? Qualquer feminista que se preze pode ficar animada com a ideia central da série de colocar personagens femininas como aquelas que tem força e poder de fazer justiça com as próprias mãos em um mundo dominado pelos homens. Mas isso nunca elimina a apropriação problemática da violência masculina com essa equação. Cenas como a do pai abusado e violentado pela mulher colocada como algo cômico pode encorajar a ideia de que a violência de gênero “invertida” é aceitável.

Acredito que os últimos capítulos da série foram re-filmados de acordo com as respostas do público, porque tem uma cena em que Jin-yi explica que, enquanto todos pensavam que ela bateu em seu marido, na verdade ele se machucou sozinho durante a discussão. Oi? Bom, isso não resolve, porque não é exatamente o que ouvimos nesses casos? “Bati na maçaneta da porta” e outras desculpas que infelizmente tentam fazer vista grossa na violência.

Acredito que a série coloca que o “amor” e a “graça” de Jin-yi, a mãe de Bong Soon, está na dominância, como “mulher alfa” que é. Ela é dura, barraqueira, mandona. Idolatra seu filho homem, despreza sua filha mulher e ameaça seu marido. Apesar de que sim, a personagem tem seu lado cômico, não é nada engraçado ver como é seu relacionamento com na família. Violência doméstica e relacionamento maternal abusivo é coisa séria.

 

Piadas com gays e travestis

Uma das coisas mais chatas em Strong Woman é o uso de estereótipos homossexuais como efeito cômico. Avaliando como Min-hyuk é “bonito, se veste bem e não tem interesse em mulheres”, a amiga de Bong Soon, Na Gyeong-shim (interpretada por Park Bo-mi), conclui então que os rumores de que ele é gay devem ser verdade. Bong Soon concorda, bufando, “Como um cara gosta de fazer compras?”.

A mãe de Bong Soon que, após ouvir Bong Soon falar que acha que ele é gay e descobrir que a filha não dormiu com o chefe, diz: “Ela deve apenas forçá-lo. Que desperdício de todo esse poder”. Tal cena perpetra a visão equivocada de que a sexualidade é uma escolha, uma espécie de estilo de vida ou gosto que pode ser mudado. Jin-yi ainda diz: “Pessoas mudam. Eu mesma não gostava de cachorros antes de ter Soon-shim (o cachorro)”.

Além disso, há cenas de crossdressing que servem como piada. O fato de Bong Soon pensar que o presidente é gay já o coloca caracterizado como uma mulher em um pesadelo, tentando seduzir Gook Du.

E ainda teve a cena em que o presidente diz que não é gay para os steakholders da empresa. A questão nunca foi o fato de que todos ali pensavam erroneamente que Min Hyuk era gay – o problema é que o conselho da AIN Software achava que seria gay desqualificaria Min Hyuk de dirigir a empresa em primeiro lugar. E, por isso, era preciso dizer que não, ele gostava sim de mulheres.

Ao mesmo tempo, é interessante ver como Min Hyuk falava do Gook Du como sendo um homem interessante e bonito, sempre o provocando ao flertar com ele, além de toda a química entre os atores no capítulo 6, em que eles acabam dançando, se acariciando e dormindo juntos na mesa de bilhar. Seria a normatização de uma possível bissexualidade dos personagens? Ou, mais uma vez, apenas algo cômico e vexatório digno de “ressaca moral”?

Não podemos deixar de mencionar também x líder do departamento de desenvolvimento de games, Oh Dol-byeong (interpretado por Kim Won-hae, que também dá vida ao personagem Kim Kwang-bok, um dos capangas da Baek Tak Industries). Elx é o estereótipo da “bicha má”: afeminadx, histéricx, grita por qualquer coisa, vê as mulheres como concorrência. E o fato de usar maquiagem, bijuterias e unhas pintadas não coloca a fluidez de gênero como natural, mas como cômica.

 

E coitado do cachorrinho!

Haviam diversas cenas completamente desnecessárias em Strong Woman Do Bong Soon. Por exemplo, a família tem um cachorro Shiba. Mas ao invés de ele participar das cenas e do convívio familiar, percebemos que as poucas cenas em que aparece o animalzinho está preso por uma guia curta, do lado de fora da casa. Eu fico com o coração partido de ver tantas produções coreanas e japonesas mostrar com naturalidade coisas assim. Infelizmente, é algo que ainda faz “parte da cultura” (fora excessões).

 

Conclusão

Apesar de comentar tantas problematizações, eu recomendo esse dorama. Ele é super gostosinho de assistir, é uma delícia ver a interpretação da Park Bo Young. Os personagens são divertidos, o triângulo amoroso é interessante e até a tensão toda do sequestro de mulheres e da busca pelo psicopata como sendo o “chamado” da Bong Soon para assumir sua faceta de super-heroína é legal (mesmo com coisas bizarras rolando, como ela perder e retomar os poderes sem justificativas plausíveis). Achei o último episódio uma corrida para encerrar a série com um final feliz, mas achei bonitinho a ideia de agradar os fãs apresentando um ideal de futuro (e a garantia da continuidade da super-força hereditária com as pequenas gêmeas). Eu gostei bastante e quero ver essas atores tão queridos muito em breve!


 

Assista Strong Woman Do Bong Soon no Viki. É gratuito, mas tem umas propagandas chatinhas que cortam os episódios diversas vezes (o bom é que podemos dar “skip” depois dos primeiros 10 segundos – porém, são muitas propagandas). Eu assisti com legendas em inglês, mas tem legendado em português (você pode mudar nas configurações do vídeo). O legal é acompanhar os comentários que o pessoal deixa sobre as cenas, que ficam no canto superior esquerdo da tela. Eu dei muita risada com isso, é como assistir com amigos.

Super power girl! ♡

 

 


Leia também:
  1. Homosexuality, K-Dramas and the mixed bag of Strong Woman Do Bong Soon
  2. Soul Beats: Strong Woman Do Bong Soon Reviews
  3. My Own Strange Bubble: 10 Pensamentos sobre Strong Woman Do Bong Soon
Mais de Nina Grando

Nostalgia nerd: Super Pig

A porquinha dos anos 90 não era a Peppa, era Super!
Leia mais