Conheça: As ecobags da Colibrii

Mesmo nascida e criada em Porto Alegre, eu nunca coloquei os pés no Morro da Cruz. Lá é o lar da Dona Eni. Mesmo sem me conhecer, nunca ter me visto nem por foto, ela me presenteou com a seguinte frase: “Ser pedra é fácil. Difícil é ser vidraça”. Afinal, quem se atreve a ser transparente hoje em dia, né Dona Eni? Além do gosto por essa frase, não temos muito em comum a não ser duas coisas: Porto Alegre e a Colibrii, empresa que nos aproximou através de uma simples mochila.

A Colibrii é um negócio socioambiental, idealizado por duas porto-alegrenses. O objetivo é simples: valorizar o trabalho de artesãs de comunidades de baixa renda de Porto Alegre e dar um novo significado a materiais reutilizáveis. Nessa lista de materiais entra, por exemplo, cinto de segurança de carro, lona de guarda-chuva, resto de tecidos e de calça jeans. Esses pedaços esquecidos dão resultado a algo útil e querido por quem os adquire, como é o caso da minha mochila de couro ecológico e resto de tecidos com alça de cinto de segurança que eu comprei quando estava de férias em casa.

Alice Meditsch, de 26 anos, e Gabriela Ruiz Gonçalves, de 31, estão à frente da Colibrii, mas não querem levar todo o crédito pela criação das mochilas, carteiras, ecobags e outros produtos destinados a guardar coisas. Desde que começou a ser montada, entre o fim de 2013 e o início de 2014 por Gabriela e sua sócia na época, Marília Martins, a ideia da Colibrii é desenvolver os acessórios – desde o design até a confecção – junto com as próprias artesãs. “A gente conversou com elas e falou que não era só a gente ir ali com uma ideia já pronta e pedir pra elas fazerem. A gente via a importância de abrir o espaço para que existisse uma troca”, explica Gabriela.

Foi graças a essa troca de conhecimentos com essas criativas senhoras que surgiu a ideia de ressignificar materiais nas confecções. “A Eni já trabalhava há muito tempo com jeans e reaproveitamento, daí a gente fez um teste. Teve uma aceitação super boa e então desenvolvemos essa proposta”, conta Gabriela. Já o forro das mochilas e das ecobags é feito com guarda-chuvas. Dona Natalia, moradora do bairro Partenon, já tinha experiência com esse material e sugeriu sua incorporação.

Além do conhecimento e criatividade de quem já trabalhava com costura há tempos, os produtos também carregam a escrita das artesãs. Cada um deles é vendido com um bilhetinho com uma mensagem escrita pela artesã que o fez – como a mensagem que a Dona Eni me mandou. “Elas valorizam muito isso de ter o bilhete, de ter a assinatura delas. No início, era assim ‘ai tá, tem que assinar…’, mas agora elas vêem como um produto delas e se orgulham disso”, conta Alice.

E o retorno para as artesãs? Cada uma recebe pelo que confeccionou, no momento que entregam os produtos. Em casos de produção em grande escala em parceria com empresas maiores, o valor do projeto é dividido entre as artesãs e a Colibrii. Mas tudo isso é acertado em conjunto. “Isso é uma coisa que a gente faz na criação. A gente senta com elas pra pensar no valor para confeccionar e o valor total da produção será dividido entre todas as artesãs participantes”, explica Alice, que além de sócia da Colibrii também é designer de produto. Entre as empresas parceiras estão a Insecta Shoes, Surfari (pra quem elas confeccionaram capas de pranchas), YouCom e Cravo e Canela. Também com a ThyssenKrup Elevadores, a Colibrii fez uma parceria em que confeccionou estojos feitos dos uniformes da empresa que foram dados de brindes no Dia dos Pais.

Mas, claro, além das consequências positivas na renda dessas senhoras, há também um retorno pessoal. No contexto familiar, essas mulheres passaram a ter seu trabalho levado mais a sério e ser motivo de orgulho para os familiares. A nível individual, essas mulheres de 40 a 60 anos se redescobriram através de seu trabalho. Se deram conta de seu poder e talento. Alice observa:

A gente não gosta de falar que a gente empodera. Não é a gente que faz o impacto social, na verdade é todo mundo junto que promove esse impacto. A gente nota que esse trabalho faz com que elas percebam que elas têm esse poder.

As duas porto-alegrenses dizem não querer banalizar o termo “empoderamento” já que, como Alice diz, as mudanças sociais não são feitas só pelas duas. “Começou esse boom do empoderamento e é sempre com essa visão de inferioridade: alguém tem que ter mais porque alguém tem menos, e o que tem mais vai lá e empodera o que tem menos. Pensando no conceito da coisa, existe um empoderamento no sentido da pessoa entender que ela tem o poder, não que ela vai receber”, defende Gabriela.

Em três anos, esse lindo projeto de cocriação da Colibrii chegou a outras comunidades de Porto Alegre. Hoje, a empresa conta com o trabalho de artesãs também na Ilha das Flores, Glória e Humaitá. Para determinados projetos, até 20 artesãs participam da formação de ideias e confecção dos acessórios.

Até então, as parcerias para confecção e venda de produtos foram feitas somente com empresas gaúchas. Mas Gabriela e Alice esperam levar seus produtos em breve para outras partes do Brasil. Por enquanto, você pode dar uma conferida nas mochilas no site da Insecta Shoes e da Cravo Canela.

Escrito por
Mais de Débora Backes

Conheça: As ecobags da Colibrii

Mesmo nascida e criada em Porto Alegre, eu nunca coloquei os pés...
Leia mais