Crazyhead: sobre amigas e demônios

Para aqueles que não sabem, eu tenho uma leve obsessão por séries com temas sobrenaturais. Quando digo leve, bom, estou sendo bastante moderada, e quando digo séries, quero dizer quase qualquer mídia conhecida pela humanidade. Minha preferência costuma englobar conteúdo violento, com humor bem idiota e, de preferência não-misógino. Sei que parece estranho para quem vê de fora, mas dentro do universo do sobrenatural, é até bastante comum vermos essa combinação em séries como Buffy ou livros como The Southern Vampire Mysteries (Charlaine Harris), Women of the Otherworld (Kelley Armstrong), entre outros.

A maior parte das coisas que eu consumo tem uma qualidade duvidosa em vários aspectos e eu tenho plena consciência disso. A Netflix, por sua vez, também tem essa “consciência” e vive me bombardeando com opções de lixos televisivos sobrenaturais que eu, complacentemente, acato e me entretenho por horas a fio. Recentemente me deparei com Crazyhead, nova série na Netflix, achei uma premissa bastante interessante e… bom, nem precisa dizer que foram perdidas algumas madrugadas em claro.

crazyhead_3

 

Aviso de spoiler

Se você prefere não saber nadica de nada de uma série antes de assistir, saiba que eu comento alguns acontecimentos e opino sobre alguns detalhes. Mas nada exatamente sobre a trama em si que vá estragar a surpresa de quem assiste (;
 

Mas que diabos é Crazyhead?

Crazyhead é uma comédia de humor mórbido, com elenco bastante diverso etnicamente, sobre duas garotas inglesas de vinte e poucos anos com poderes paranormais e que caçam demônios. A série cumpre basicamente todos os meus requisitos para entretenimento idiota. Raquel (Susan Wokoma) e Amy (Cara Theobold), as personagens principais, apesar de completamente diferentes, possuem algumas características em comum, sendo a principal serem ambas “videntes”, ou seja, ambas são capazes de ver demônios que possuíram seres humanos.

A história gira entorno da relação entre as duas, sendo todo o mistério sobrenatural nada mais que um pretexto para a amizade aflorar enquanto lidam com questões bastante comuns a jovens mulheres adultas: relacionamentos amorosos, questões familiares, trabalho, adoecimento. Uma coisa bem, assim, hm, Buffy, sabe? Só que mais atual, mais sangrento, sem “monstro da semana”, com humor mais escrachado e com um guarda-roupa muito melhor, muuuito melhor.

Nos 3 minutos iniciais de Crazyhead, parecia que eu estava sendo transportada lááá pra 2011 quando vi Misfits pela primeira vez. Misfits é uma outra dessas várias séries sobrenaturais que eu consumo uma atrás da outra que nem batata frita. É uma série inglesa de 2009 de humor mórbido sobre cinco jovens etnicamente diversos de seus vinte e poucos anos que ganham superpoderes em seu primeiro dia de prestação de serviços comunitários como pena alternativa. O primeiro episódio me remeteu tanto à outra série que eu fui obrigada procurar se era do mesmo criador e, claro, óbvio que era. E, assim como Misfits, esperei que a série fosse de fato muito absurda, violenta, cheia de vergonha alheia (e é!) e que, infelizmente, pecasse um tanto na parte do “não-misógina”. Para minha feliz surpresa, não foi assim!

 

 
 

O que foi bem daora?

Eu me apaixonei perdidamente pela personagem da Raquel, uma mulher extremamente estilosa, desejável, fofa, atlética (ela faz pilates e desce o cacetete nos demônios como ninguém) gorda e negra, e que, a meu ver, foge de qualquer esteriótipo que eu já tenha visto retratado na tevê. É muito refrescante e muito fácil de se relacionar com um personagem que parece de fato uma pessoa de verdade! Ela tem dificuldade de fazer amizades, principalmente por não conseguir explicar a existência de demônios para as outras pessoas, mas ao encontrar Amy, que também os vê, tudo muda e ela ganha a confiança que faltava para ser ainda mais incrível – como se precisasse, não é mesmo?

 

 

Amy é um pouco menos interessante, mas ela tem um bom crescimento durante a série e tenho vontade de saber para onde vai o personagem na próxima temporada. A atriz Cara Theobold (que é dubladora da Tracer, de Overwatch, aliás) é mais padrão da tevê: branca, magra, loira, e seu personagem é uma moça tímida, insegura, desajeitada – já vimos tantas dessas que já perdi a conta – e também não tem muito trato social, mas ao contrário de Raquel, ela já começa a série tendo dois amigos: Suzanne, sua melhor amiga, e Jake, seu colega de trabalho.

Suzanne é retratada (otimamente por Riann Steele) como a amiga bonita, sexy e descolada de Amy que sempre esteve ao seu lado desde a infância, cuidando e dando suporte nas horas de necessidade. A partir do primeiro episódio, essa dinâmica muda completamente e Amy precisa entender como lidar com o fato de que agora ela é quem tem que cuidar dos outros e dela mesma. Já Jake (Lewis Reeves) é um personagem sem muita profundidade (bom, acho que apenas Raquel tem um pouco mais de profundidade), ele é bobo, apaixonado por Amy, mas mesmo rejeitado amorosamente pela amiga, nunca desiste e está sempre ao seu lado, ajudando nas situações mais absurdas possíveis (aka Xander).

 

crazyhead_5

 
 

Outras coisas superlegais!

Tanto Amy quando Raquel possuem traumas familiares que, aparentemente, não envolvem questões como abusos sexuais ou relacionamentos românticos conturbados, que são clichês usados para personagens femininas em diversas séries e filmes. Temos personagens centrais negros (perceba o plural): Raquel, seu irmão Tyler (Arinzé Kene) e Suzanne. Temos várias mulheres relevantes no elenco – além das já mencionadas, temos a demônia que possuiu Mercy (Lu Corfield), uma mãe solteira que tem todos os problemas de uma mãe solteira, como, por exemplo, ter que contratar uma babá para poder executar os planos malignos de seu superior, ou tirar os bolinhos do forno durante um confronto. Os demônios da série são vilões relativamente complexos, com propósitos e estratégias para conseguir o que eles querem, com personalidades diferentes e alguns parecem até nem ser tão vilões assim.

 

crazyhead_0101_c

 

E, claro, não poderia faltar uma trilha sonora maravilhosa e quase toda encabeçada por mulheres!

Podemos começar por Gin Wigmore com “Kill of the night”, música de abertura simplesmente viciante e super adequada para a trama do filme, e “Devil in me”, que dá o tom frenético que a série pede. Weaves com “Drag me down” e Elle King com “Ex’s & oh’s” acompanham a batida acelerada e o vocal arranhado de Wigmore, dando uma atmosfera arrepiante para a trilha. “Where did you sleep last night”, de Wanda Davis, e “Name in a matchbook”, de Springtime Carnivore, já começam a desacelerar pouco a pouco, mas sem perder sua personalidade marcante. Chegarmos então em Bat for Lashes com “Laura” e na versão mais triste de “Where is my mind” que já ouvi em filmes, que é minha única crítica à trilha. Não existe música mais preguiçosa para falar sobre adoecimento psicológico na história do cinema (a partir dos anos 90). Mas, no meio de tantas pérolas mencionadas acima e outras tão fortes quanto, ela pode passar desapercebida, sem prejudicar o clima.

crazyhead_1

 

Maaaaas…

Claro, nada disso que mencionei anteriormente quer dizer que seja uma série impecável, bem longe disso, aliás. Assim como Misfits, ela parecem ter um problema muito sério com piadinhas homofóbicas. Misfits começou com algumas insinuações sobre a orientação sexual de algum personagem ou utilizando a palavra “gay” como ofensa (insistentemente) e escalou rapidamente para demonstrações explícitas de misoginia, homofobia e transfobia e esse foi obviamente o motivo pelo qual parei de assistir. Tenho muito medo que Crazyhead escale da mesma forma e se transforme num show de horrores, como sua predecessora. Porém, estou torcendo fortemente para uma segunda temporada melhor e mais inclusiva (e que nem absolutamente todo mundo seja hétero, por favor, nessa parte Buffy ainda está ganhando)!

 

 
 

Saca só:


 

Escrito por
Mais de mamutemutante

Crazyhead: sobre amigas e demônios

Para aqueles que não sabem, eu tenho uma leve obsessão por séries...
Leia mais
  • Pachi

    É disso que preciso pra me recuperar depois do trem desgovernado que é supernatural <3