[NSFW] Pornceptual e a arte erótica

Lembro bem de quando fui para Amsterdam em 2009 durante um intercâmbio e me diverti com as obras do Museu do Sexo. Apesar de pequeno, ele trazia fotos, roupas, objetos e documentos históricos sobre o sexo ao longo da História dispostos de maneira bem divertida. Me fez refletir sobre como o sexo é uma coisa que sempre existiu e como deveria ser encarado com mais naturalidade pelas pessoas.

Nessa mesma viagem, conheci a então estudante Raquel Fedato em um albergue em Roma. Ela e um amigo se juntaram ao meu grupo e passeamos pela cidade. Nos adicionamos no Facebook e desde então acompanho de longe a vida dela que deixou São Paulo para morar em Berlim. Por lá, ela começou a fazer parte do Pornceptual, um “estudo visual focado em produzir conteúdos sexuais por um viés artístico”. Conversei com ela para entender melhor o projeto:

Pornceptual: Raquel Fedato na foto "Cockheart", de Ema Discordant
Pornceptual: Raquel Fedato na foto “Cockheart”, de Ema Discordant

1.Como vc foi parar em Berlim?

Nasci em São Paulo há 21 anos em uma família metade alemã e metade brasileira. Sempre estive no meio de ambas as culturas. Estudava em uma escola alemã e morava no Brasil, mas visitava minha família todos os verões. Meu crescimento envolveu um grande mix cultural, não apenas idiomático, mas também de costumes, mentalidades e comportamentos. Como consequência disso, nunca me senti 100% inserida em nenhuma cultura, e já adolescente decidi que viria morar em Berlim, uma cidade versátil, onde eu poderia estudar e ao mesmo tempo me descobrir como pessoa. Depois de passar por diversos cursos como Ciências Culturais, Arqueologia e História da Arte, atualmente estudo Economia na Humboldt Universität e conduzo um projeto artístico chamado Pornceptual.

2.O que é o Pornceptual?

Com o objetivo de descontextualizar a pornografia de seu sentido comum, o Pornceptual é um estudo visual focado em produzir conteúdos sexuais por um viés artístico. No início, o projeto se resumia a uma galeria online de arte erótica, porém com o decorrer do tempo se tornou uma plataforma para as pessoas expressarem e explorarem sua sexualidade de forma criativa. Em primeiro lugar, defendemos a liberdade de expressão. Acreditamos que a arte e o sexo devem ser uma experiência sem limitações. Através disso, esta também torna-se uma forma de criar novas possibilidades de representação do corpo humano. E indo um pouco mais além, acreditamos e defendemos a descoberta da sexualidade, que infelizmente ainda é um grande tabu na sociedade contemporânea.

3.Por que vocês decidiram criar esse projeto?

O Pornceptual foi criado em 2011 por dois fotógrafos: meu melhor amigo e atual sócio Chris Phillips e a artista Carol Stiller. O motivo principal por trás do projeto foi e ainda é uma insatisfação com a maneira como o corpo é apresentado na pornografia comercial ou até mesmo na maioria dos trabalhos descritos como “arte erótica”. Logo, vemos o Pornceptual como uma alternativa `a indústria pornô, um produto que além de monótono e previsível, é sexista e superficial.

4.Vc acha que um projeto desse poderia rolar aqui no Brasil?

Pessoalmente, acredito que o projeto poderia acontecer em qualquer lugar, mas os níveis de dificuldade variam de país para país, de cidade para cidade. O conceito foi desenvolvido no Brasil, mas as possibilidades de crescimento eram mínimas. Infelizmente a maior parte da população brasileira não é intelectual, cultural e espiritualmente desenvolvida o suficiente para entender a nossa proposta. Ainda existem muitos “pré-conceitos” a serem vencidos e queremos ser parte disso, mas isso requer muita energia e tempo, e muitas vezes não surte efeito algum. Por esse motivo, resolvemos estabelecer o projeto na Europa.

5.Vi que tem algumas fotos de festas e em cidades diferentes. Como é isso?

Há mais ou menos um ano começamos a organizar festas com o objetivo de promover o projeto e atingir diferentes públicos. A cada edição, escolhemos um novo tema e convidamos artistas ou performers para criarem algo relacionado ao tópico. Por exemplo, para a edição “Futuristic PORN”, o desafio era imaginar como será nossa vida sexual daqui a cinquenta anos. Já na edição “Russian PORN”, o público foi convidado a usar seus corpos como uma plataforma de protesto em apoio à comunidade LGBT russa. Atualmente, organizamos edições mensais em Berlim, mas já levamos a festa pra Amsterdam, Londres e agora Istambul. Ano que vem, no dia 21 de março vai rolar uma edição em São Paulo, no Cine Marrocos, em parceria com a festa Carlos Capslock, organizada pelo Paulo Tessuto. Mais informações só mais pra frente.

 


Dia desses, ela postou uma foto seminua com um aviso para um “amigo” da rede. Alguém que se deu o trabalho de denunciar todas as fotos dela que tinham algum pedaço de pele exposto. Traduzo a seguir:

É hora de parar essa porra de histeria sobre seios nus e fazer com que o topless seja tão fácil e normal para as mulheres quanto para os homens.

Para as pessoas que insistem em denunciar as minhas fotos: POR FAVOR, DESFAÇA A AMIZADE se você não gosta do que eu compartilho.

Algumas pessoas não levam o respeito tão a sério quanto eu, mas a minha concepção do que significa ser livre definitivamente envolve corpos nus e sexualidade.

Censura sobre o corpo feminino não deve ser um problema. Então encare isso como uma oportunidade de olhar para as pessoas de uma maneira diferente em vez de julgá-las baseado na maneira como elas foram educadas ou na cultura em que cresceram.

Por último, mas não menos importante, eu vou continuar postando fotos seminuas, quer você goste ou não.

Raquel e o manifesto pessoal pela nudez
Raquel e o manifesto pessoal pela nudez

6.Como vc vê o corpo feminino?

Vejo o corpo, não apenas o feminino, como nossa principal fonte de sabedoria. Acredito que explorar e aceitar o nosso corpo é o principal caminho para o autoconhecimento e consequentemente para a realização pessoal. Ao adquirir tal liberdade, nos sentimos confortáveis para simplesmente assumirmos quem somos, independente dos padrões culturais e estéticos que nos foram inconscientemente impostos.

7.Por que você escolheu tirar a roupa no projeto? O que vc sente ao fazer esses tipos de foto?

Escolhi tirar a roupa em frente à câmera para afirmar a minha liberdade, apreciar minha beleza e a dignidade do meu corpo. Na minha experiência, o “tirar a roupa” quebra as barreiras impostas pela vestimenta e dá uma sensação de união entre mente e corpo. Não acredito que a visão do corpo nu deva ser única e exclusivamente reservada para o sexo. Ao começar a explorar meu próprio corpo, perdi a vergonha que por muito tempo senti devido ao meu grande porte (tenho 1,85m!!) e consequentemente ganhei minha auto-estima de volta. Além disso, acredito que seria um ato hipócrita da minha parte experimentar o nu somente na arte e não na realidade. 

8.Como as pessoas próximas a você encaram o projeto? A maneira como vc expõe o corpo?

Atualmente, a maior parte das pessoas que me conhecem encaram o projeto como uma causa digna de apoio. Obviamente foi um processo longo e cansativo, até que todos parassem de me questionar e finalmente começassem a aceitar o que eu estava propondo. Tive que enfrentar uma série de julgamentos, principalmente vindos da minha família e de pessoas que ainda não me conheciam tão a fundo, mas acho que finalmente venci essa fase. Em relação `a maneira como exponho o corpo, ainda existem muitas pessoas que se chocam e que simplesmente não entendem o motivo por trás da coisa toda.

9.Como vc lida com isso?

Claramente lidar com essa questão se provou ser extremamente complicado. No começo da minha descoberta, as críticas que recebia me deixavam simplesmente maluca e muitas vezes até com raiva. Não conseguia aceitar que as pessoas não entendessem algo que dentro de mim é tão claro. Mas com o tempo aprendi a respeitar que todos somos diferentes e que o que funciona pra mim não necessariamente serve para outras pessoas. Sempre fui muito perfeccionista, mas durante esse processo me dei conta que é impossível agradar a todo mundo e que eventualmente terei que respeitar opiniões com as quais eu não concordo.

 

Curta a página do Pornceptual para ficar por dentro do projeto.

Mais de Anna Crô

Links da semana

Olá, ovelhitas! Mais uma semana com um monte de coisas legais, importantes...
Leia mais