Tiger Girl: a anti-heroína que você respeita

Um filme sobre uma inesperada amizade entre duas mulheres contrastantes

Uma garota tímida de modos comedidos se depara com o seu completo oposto em uma noite em Berlim. Depois de já meio bêbada de um happy hour com os colegas, Maggie encontra sem querer Tiger – sua salvação e, mais tarde, uma espécie de tormento da sua personalidade contida. A doce jovem de 20 e poucos anos só quer tomar o rumo de casa tranquilamente quando diferentes obstáculos manifestados em forma de figuras masculinas tentam impedi-la. É aí que entra Tiger, uma jovem da mesma idade, moradora de rua, durona e de uma personalidade sem barreiras. Uma verdadeira street fighter.

O plot de “Tiger Girl”, novo filme do diretor alemão Jacob Lass, gira em torno dessa inesperada amizade entre duas mulheres super contrastantes. Tiger não se importa com opiniões alheias e nem tem medo de ninguém. É a típica tough girl. Já Maggie, uma típica sweet girl, não confronta ninguém, mesmo se injustiçada, e quer agradar a todos com seus bons modos. Até mesmo a aparência das duas se diferencia brutalmente: Tiger tem cabelo preto e curto, usa roupas largadas de cores escuras e aparece frequentemente com um taco de beisebol. Maggie – apelidada de Vanilla, a palavra em inglês para baunilha – é loira de cabelos compridos e usa roupas do estilo bem neutro (calça jeans, tênis de pano, um suéter listrado branco e rosa e uma jaqueta verde bebê) e está sempre agarrada a sua bolsa de ombro.

Tiger aparece na vida de Vanilla como uma super-heroína, para salva-la das garras dos metidos a macho que perambulam pela capital alemã. Ela não tem super poderes, como uma força física incrível ou a capacidade de mover coisas com o poder da mente ou voar. Mas tem presença forte e uma habilidade de lutar muito f**, que nos remete a uma super-heroína de filmes de ficção ou HQs.

Tiger é a típica tough girl que não se importa com as opiniões dos outros

As cenas de lutas – que acabam não sendo poucas – lembram a estética de cenas de filmes de ação. São golpes rápidos, voadoras e as lutadoras caem no chão para se levantar como se nada tivesse acontecido. Os conflitos físicos em “Tiger Girl” são protagonizados quase que exclusivamente por personagens femininas, que lutam entre si ou saem chutando bundas dos personagens masculinos.

No desenrolar do filme, as personalidades conflitantes das duas mulheres vão se desenvolvendo: hora se encontram em um ponto comum, hora se afastam completamente. Vanilla queria se tornar policial, mas não passou na prova de aceite para escola da polícia. Por isso, se matricula num curso para se tornar segurança porque, segundo ela mesma, “assim também se pode ajudar as pessoas e tal”. Lá, ela descola um uniforme para sua nova amiga Tiger, com o qual ambas ganham uma liberdade nas ruas de fazer qualquer coisa. Afinal, elas “só estão fazendo seu trabalho”. Surge, assim, uma streetgang de duas garotas.

Nesse ponto, a ideia de poder e liberdade toma a cabeça de Vanilla, que nunca tinha se deixado tomar por instintos violentos antes. Com sua mudança radical de personalidade, a atmosfera no filme escala drasticamente e as situações decorrentes saem de controle com rapidez.

Tiger (esquerda) e Vanilla (direita) têm personalidades contrastantes, mas, ao mesmo tempo, bem parecidas

Não diria que “Tiger Girl” tem a intenção clara de ser um filme feminista, mas ele brinca bastante com essa ironia dos estereótipos de gênero. Tiger e Vanilla têm comportamentos que normalmente são esperadas de homens. E isso não só nas suas brigas e provocações nas ruas. Em uma cena, as duas se vestem como segurança de shopping e dizem a um passante jovem e bonito que, infelizmente, terão que revistá-lo. Ao leva-lo à salinha dos funcionários, elas o fazem tirar toda a roupa. Mesmo sabendo que isso é na verdade um abuso, os poucos espectadores na sala de cinema em que vi o filme pareceram acharam cena engraçada. Talvez exatamente por ser uma atitude tão inesperado de duas garotas – sendo que uma delas até pouco tempo nem dizia palavrão.

E é principalmente na personalidade de Vanilla que se vê o jogo de imagens de gênero. A garota doce acaba desenvolvendo um comportamento esperado (devido aos estereótipos sociais) de um homem, como agressividade e provocações de violência sem motivo, palavrões, descuidado com a aparência. Quando se torna assim, ela ganha mais confiança por achar impor respeito aos que dela tem medo.

Filmagem no estilo Fogma

Mesmo com as lutas ensaiadas e treinadas previamente, grande parte de “Tiger Girl” foi filmado sem um roteiro fixo. O que se tinha era um esqueleto das cenas, mas os diálogos entre a atriz suíça Ella Rumpf e a alemã/romena Maria Dragus para Tiger e Vanilla, respectivamente, surgiam no set de gravação.

Isso porque o diretor Jacob Lass escolheu gravar seu filme baseado num princípio chamado Fogma, ou Fuck Dogma (fodam-se os dogmas). Já usado em seu longa anterior, “Love Steaks”, com esse conceito o diretor quer se libertar de fórmulas prontas de como se deve fazer filmes e criar sua própria forma de manifestação cinematográfica.

O que pode ter ajudado mesmo nesse processo foi o fato de que as maravilhosas Ella (Tiger) e Maria (Vanilla) têm uma amizade já desde os 16 anos, quando filmaram “Draußen ist Sommer” (“É verão lá fora”) juntas. Ella Rumpf, que ficou conhecida também pelo filme de terror “Raw” da diretora Julia Ducournau, indicou a amiga para o papel de Vanilla e a combinação perfeita se fechou.


 

Escrito por
Mais de Débora Backes

Entrevista: Jiz Lee, porn star genderqueer

Jiz Lee é porn star! Também é genderqueer ou pessoa não binária, o...
Leia mais