Parceiras eternas: sobre a amizade adulta

Dizem que em um certo momento entre os 25 e 26 anos, passamos dos vinte e poucos para os vinte e muitos. Em geral, essa mudança que não tem ritos ou hábitos definidos se faz notar pela comparação com os outros: Os outros que fomos no início dos vinte e anos ou os outros que nos acompanham em nossos círculos sociais e profissionais. É comum – ainda que não seja necessário – que nossas vontades e hábitos mudem quando passamos pelas etapas destinadas a cada faixa etária. Segundo a ordem geral, primeiro nos formamos no colégio, depois faculdade, vida loca, estágio, TCC, primeiro emprego, casamento, maturidade, filhos, estabilidade ou, no mínimo, sucesso. São as linhas gerais que, felizmente, nossa geração começa a desafiar – até porque pra caber nelas é preciso um histórico de inúmeros privilégios. O que eu quero dizer – e esse texto parte de uma pessoa que cumpriu mais ou menos um terço dessa linha de produção – é que uma hora as cobranças sociais ou as vontades pessoais batem um relógio que sussurra diariamente em nossas cabecinhas: você não tem mais idade pra isso.

 
lifepartners-vaginablocking
 
De repente, seus amigos trocam as festas por uma confortável madrugada com vinho (de um preço que você nem sabia que eles tinham grana pra bancar). De repente, fica chato se perceber repetindo os mesmos programas que você faz desde a época da faculdade. De repente, já tem conhecidos casando, tendo filhos, indo morar fora do país. E de repente bate aquele pavorzinho de ser a última entre os perdidos. Talvez o que diferencie os vinte e poucos dos vinte e muito é justamente a sensação de que agora estamos por conta própria, cada amigo segue um caminho e nos encontramos nas raras horas em que temos ânimo para socializar. Nossos probleminhas de vida jovem adulta não são mesmo tão graves, é o risco da solidão que amarga essas desaventuras. A rotina ser ruim não é tão pesado, difícil mesmo é não ter com quem compartilhar desgraça até transformá-la em piada.

 
Life-Partners-2014-Latest-Movie
 
Parceiras Eternas (no original, Life Partners) é um filme dirigido por Susanna Fogel sobre amizade nesse período estranho em que não somos mais jovens, mas também não temos a estabilidade que esperamos dos adultos (porque, na verdade, estamos à beira de descobrir que essa é a maior mentira desde o Papai Noel). Sasha e Paige – interpretadas respectivamente pelas atrizes Leighton Meester e Gillians Jacobs – são melhores amigas que, apesar de serem muito diferentes, compartilham cada momento de seus dias em mensagens e intimidade quase excessivas. Sasha trabalha como recepcionista e, aparentemente, seu sonho é ser música. No entanto, passa os dias entre o tédio do escritório e a frustração com a própria criatividade. Paige é a amiga bem sucedida que trabalha como advogada defendendo causas ambientais. As diferenças profissionais não parecem atrapalhar a amizade, porque as duas são igualmente ruins quando o assunto é maturidade e relacionamentos. Sasha saí com muitas garotas, mas, frequentemente, elas são ex-namoradas de suas amigas ou muito mais jovens e ainda moram com os pais, portanto, o alarme de “não tenho mais idade pra isso” toca alto. Paige, como qualquer garota hétero, tem dificuldade em achar um cara decente, legal e de boa. Além dos fracassos em comum, as amigas compartilham o gosto por programas de TV de qualidade duvidosa, admiração e respeito. É aquele tipo de relacionamento em que a parceria e o carinho são certos, independente do quão diferente sejam os desejos e destinos das pessoas envolvidas.

 
lifepartners-ellenpage
 
A trama realmente começa quando a harmonia entre as duas é desequilibrada por um novo componente: Tim (interpretado por um Adam Brody que só fica mais gato com a idade), o cara decente que faltava na vida amorosa de Paige. Conforme ela abre espaço para uma nova pessoa em sua vida, inevitavelmente precisa reduzir o tempo que dedica a sua amizade com Sasha. Mas as duas relutam diante da necessidade de mudar a dinâmica da relação e se embolam no próprio medo. Sasha que já não estava satisfeita com sua vida, se sente muito solitária e perdida. Paige, apesar de ter mais estabilidade profissional e amorosa, é imatura na hora de lidar com tem seus erros e limites, então, surta com as cobranças da amiga. São necessários alguns desencontros, gritos e lágrimas até que elas aprendam a ajustar o relacionamento às novas circunstâncias da vida adulta, mas o final é feliz.

 
lifepartners-gay
 
Parceiras Eternas é uma boa escolha pra quem tá com preguiça de ver um filme cabeçudo, mas também não quer ter sua inteligência subestimada. É uma história gostosinha, divertida e fofa. Sem contar que é realmente revitalizante ver um filme sobre mulheres adultas que não seja sobre casamento, maternidade ou sucesso profissional, mas, sim, sobre manter suas amigas como uma de suas prioridades. Tem o selo Ovelha e Teste de Bechdel de aprovação!

Escrito por
Mais de Taís Bravo

Nana Queiroz e os presos que menstruam

Atualmente, vivemos uma forte onda reacionária em nosso país. No Congresso Nacional,...
Leia mais
  • To adorando descobrir filmes novos, leio aqui e sempre fico com vontade de assistir. Victoria e Parceiras Eternas estão na minha lista!!!!

  • Alecrim Crim

    Tem um outro filme de “parceiras eternas” que marcou muito a década em que foi feito: Thelma & Louise. O final não é feliz, mas é um bom filme que fala sobre companheirismo e amizade entre mulheres acima de qualquer coisa!