Olmo, a gaivota e o machismo

Uma mistura de documentário e ficção, Olmo e a Gaivota traz a história de uma atriz que descobre que está grávida quando está prestes a entrar em cartaz com o espetáculo A Gaivota, de Tchekov.

E mil conflitos surgem a partir daí.

Até aí tudo bem.

O problema é que a página do filme no facebook sofreu diversas agressões depois do discurso feito pela diretora Petra Costa na premiação do Festival do Rio. Em seu discurso, a diretora dedicou o prêmio às mulheres no desejo que nenhuma mulher brasileira seja vítima do machismo, físico ou verbal, e que toda mulher possa ter soberania sobre o próprio corpo.

 

 

“Eu queria dedicar esse prêmio à minha mãe e às mulheres. E que em breve eu espero que no Brasil toda a mulher tenha soberania total sobre o próprio corpo. Seja pra rejeitar uma gravidez, interromper com o aborto que já é legal há mais de 40 anos na França, nos Estados Unidos, em Cuba…Seja pra mergulhar nela como é no caso do nosso filme e ter todos os direitos pra fazer isso da melhor forma. Espero também que nenhuma mulher brasileira sofra machismo verbal ou físico, desde a presidenta, às cineastas , às atrizes, às domésticas…às mulheres!”

Comentários como “vadia, se não quer ter filho fecha as pernas” inundaram a página.

E a diretora respondeu aos ataques da melhor maneira possível. Fazendo este vídeo, que conta com a participação de diversos atores e atrizes incríveis brasileiros.

 

 
A obra, que estreia por aqui dia 5 de novembro, é uma coprodução Brasil, Dinamarca, Portugal, França e Suécia, e a direção é da premiada cineasta brasileira Petra Costa (Elena), e da dinamarquesa Lea Glob.

Veja o trailer

Mais de Anna Crô

♪ Dorgas Blá ♪

A playlist de hoje é para as junkies ou não. Músicas que...
Leia mais