Sobre Barbies e Playboys

Colagem feita com exclusividade por Bárbara Malagoli (Baby C)

Nos últimos dias muito tem se falado da importância dos novos corpos e cores da Barbie. Tradicionalmente retratada como uma jovem completamente dentro de um padrão irreal, inclusive em termos biológicos, a reviravolta no mercado da boneca fez um favor a todas as meninas e trouxe às lojas bonecas pequenas, altas, magras e curvilíneas. Brancas, negras, orientais. Cabelos coloridos, crespos, escuros.

O impacto disso sobre a autoimagem das mulheres é claro: agora é possível se ver de maneira mais fiel no mercado, e como a boneca é referência de beleza, sentir-se bonita pode ter se tornado 1% mais fácil hoje em dia. Pois bem, aqui eu gostaria que ficássemos com uma ideia na cabeça: a representação dos corpos diferentes no mercado é importante, e a pressão dos consumidores foi a grande responsável para essa mudança. Pela primeira vez estamos vendo a representação feminina de forma mais amistosa. Será?

A “Playboy” também sofreu pressão dos seus consumidores e se viu obrigada a reestruturar por completo a ideia da revista: “pouca nudez, mais conteúdo”. A grande variedade de pornôs disponíveis na internet fez com que a nudez explícita da revista se tornasse desnecessária – melhor uma mulher gemendo e sendo penetrada do que uma apenas com “cara de safada”, não é mesmo? A gratuidade do pornô online, portanto, foi a grande ruína da “Playboy”.

Os homens pararam de consumir nudez impressa para consumir violência contra a mulher pela internet. O vídeo é muito mais agressivo e satisfatório do que uma foto inofensiva: o gozo vem mais rápido e de forma mais barata, afinal de contas, tempo é dinheiro, minha gente (até o tempo de se masturbar). Aqui, mais uma ideia: o mercado, assim como vimos no caso da Barbie, se adaptou, e essa cara moderna da revista não veio pela exigência de seus leitores por uma revista mais humana, mas sim porque os mesmos passaram a se entediar com peitos e bucetas que não se mexem, não gritam, não reagem.

Há milhares de problemas em tudo isso, a começar pelas mudanças empregadas pela revista visando o aumento de mercado. Irei começar com esse discurso da necessidade de se modernizar que a “Playboy” vem empregando, principalmente com um falso propósito de se tornar “mais inclusiva às mulheres”. Durante anos, a “Playboy” dá de ombros à dignidade e ao bem estar feminino, propagando apenas conteúdo de natureza masculina e objetificadora da figura feminina (o padrão loira, branca e magra, que vimos na Barbie todo esse tempo, foi a capa da revista por décadas). O que será, então, que fez a revista rever esse processo? Dica: não foram as intensas manifestações que vivemos na “Primavera Feminista”.

playboy
Capa da nova era da ‘Playboy’ (Divulgação)

O que fez a revista mudar de visual e foco foi o fato dos homens estarem consumindo pornografia cada vez mais cedo – e apenas na internet. A capa da “nova era” da revista, que simula uma selfie sensual no Snapchat, mostra o esforço desmedido da revista em conquistar o público jovem. Por jovem, entenda-se: pré-adolescentes de 13 anos. Como se não bastasse aos adolescentes estarem expostos a um conteúdo pornográfico altamente violento às mulheres e traumatizante a todos, agora a revista disponibilizará nudez impressa também.

A “Playboy”, portanto, apenas complementa o mercado pornográfico que já é vitimizador da figura feminina, vendendo uma nudez que não será paga, já que as meninas não receberão cachê por posarem nuas. Ou seja, as mulheres são duplamente punidas nesse caso: não recebem pelo próprio trabalho, sob uma perspectiva de que “nudez não se compra” (mas se vende e se consome, editores da “Playboy”?), e ainda têm suas imagens objetificadas – mesmo que sem retoques de Photoshop.

Nem o tom “jovem” da revista deve ser visto como uma grande novidade. Além de continuar sendo uma engrenagem do mercado pornográfico, a revista ajuda a perpetuar a pedofilia e a “cultura da novinha”. Essa nova capa remete ao Snapchat, campo digital largamente utilizado por adolescentes para sua comunicação. O que antes era uma maneira interessante de transmitir ao amigo como havia sido seu dia se tornou na mais nova ferramenta de pornografia do mercado. Além disso, as mulheres com caras inocentes, completamente depiladas, sempre existiram nas capas e spreads da revista, a diferença é que agora ela conseguiu voltar ao mundo digital. O visual jovem da “Playboy” não é novidade nenhuma: ele sempre esteve lá, transformando mulheres maduras em bonecas púberes como a própria Barbie aqui citada. Em outras palavras: a “Playboy” nunca esteve tão pedófila.

O ponto principal é: as indústrias fazem o possível e o impossível para se readequarem constantemente ao mercado. A Barbie e a “Playboy” estão inclusas nessa história. Ainda que de maneiras diferentes, ambas lucram (e muito) com a objetificação feminina (no caso da Barbie, um objeto literal). Além dos diferentes impactos que bonecas e revistas pornográficas podem causar nas mulheres (que, de fato, são incomparáveis), ambas não fizeram mais do que sua função: se adequar ao seu novo mercado. A diferença, é que a função da “Playboy” continua a mesma, que é promover prazer masculino heterossexual e lucrar em cima das mulheres. Só que agora o lucro será muito maior, já que a revista não dará um centavo de cachê às moças que mostram seus corpos nus nas capas.

Tags relacionadas
, ,
Escrito por
Mais de Júlia Rocha

Leia: Pola Oloixarac

Após seu ovacionado romance de estreia As Teorias Selvagens, a escritora argentina...
Leia mais