Guia Ovelha para a recém-desempregada

Colagem digital feita com exclusividade por Bárbara Malagoli (Baby C)
Se você está desempregada, cai pra dentro e receba esse abraço de empatia e uma tentativa sincera de apoio a partir do que aprendemos na marra

No começo de 2016 – claro que foi nesse ano, por que não seria? – fui demitida.

Emocional e psicologicamente, eu fiquei relativamente aliviada. Já estava naquela empresa há tempo demais e sentia que não tinha mais nada o que aprender e nem o que contribuir, estava passando meus dias arrastados, reclamando de tudo e criando uma nuvem de mal-estar que só piorava com o tempo.

Então, com a demissão, esperava abraçar os freelas e cantar “liberdade liberdade abre as asas sobre nós”. Esperava sair com amigos e ler mil livros arrasadores, ir ao cinema e voltar a escrever resenhas literárias que você sempre gostou – sacou a mea culpa? ata -, ficar menos conectada na rede mundial de computadores e mais em contato direto com as pessoas que você ama. Esperava viajar e ficar boiando naquele mar de gratiluz.

Esperava muito.

 

 

Corta para uma Fabiana assistindo a todos os filmes do Harry Potter, às 4 horas da manhã, comendo biscoito de polvilho.

Talvez eu tenha romantizado demais o significado de uma vida profissional, mas muita coisa em que eu acreditava foi posta em xeque quando fui demitida. Ser demitida não implica só estar desempregada, com medo de não ter grana para continuar pagando seu aluguel, nem estabilidade para fazer quaisquer planos a longo prazo (embora essas preocupações sejam constantes). Implica também em lidar com um certo tipo de rejeição, com desacreditar na sua competência e ter sua auto-estima duvidada.

As questões de produtividade e finalidade se tornaram centrais nas minhas pirações e crises de ansiedade. Não me sentir produtiva, tanto no aspecto macro da abelhinha que contribui para colmeia  funcionar, (sei que é lance bem 1984 mas Bela e a Fera já cantava: “sentimentos são….”) como no micro, na dinâmica da casa – de não conseguir pagar todos os aluguéis e supermercados – tornou-se incapacitante para mim e, com o tempo, era só o que conseguia pensar.

Entre os envios frenéticos de currículo, emails para os contatinhos da área, alguns freelas que salvaram as contas no final do mês e algumas eventuais entrevistas de emprego, eu passei por algumas etapas bem loucas, instáveis, eufóricas e deprês, listadas abaixo. Se você também está desempregada, cai pra dentro e receba esse abraço de empatia e uma tentativa sincera de apoio a partir dos meus aprendizados.

 

  1. Ah, (a ilusão do) tempo livre!


 
No primeiro momento, você pode até se sentir feliz e aliviada com a demissão, capaz até de abraçar um poste no meio da rua, no estilo do filme “Cantando na Chuva”. Aquela euforia inicial tão, tão ingênua de pensar “que bom, pelo menos você vai conseguir descansar um tempinho, restabelecer, redefinir suas prioridades e voltar ao mercado de trabalho 100 por cento”.

Então se joga, pelo menos de início. Viva alguns dias ou semanas dançando como uma otariana nas ruas alagadas pela chuva porque não demora a surgir aqueles pensamentos ansiosos que começam com “E AGORA?”. A água ainda vai bater na sua bunda.
 
 

  1. Falta de rotina não é bem uma liberdade


 
É neste período que você vai descobrir (ou reafirmar) que a 6a. temporada da “Buffy – a caça vampiros” é a melhor. Você vai começar a perder o controle do tempo. Vai acordar mais tarde todo dia não porque você curte, mas porque você não tem mais motivo para acordar cedo. E isso não é libertador, na real é meio deprimente. Sem rotina, ansiosa e deprimida, a insônia vem para fazer bagunça e coroar a sensação de estar num vortex de procrastinação total. Mesmo com todo o tempo livre durante o dia, é nas madrugadas que você consegue rever suas séries favoritas.

Keep calm and Buffy on
 
 

  1. Vá arejar a cabeça em outro lugar


 
Não dá para ficar se sentindo uma merda para sempre, certo? Então você pode viajar, ir para a praia, campo, acampar. Sair um pouquinho da rotina, sair um pouco da espiral de pensamentos loucos que é a sua cabeça.

Porém, saiba que, às vezes, a ansiedade tem disso: independentemente do lugar que você vá, ela te segue – como naqueles filmes de terror sobre assombrações: às vezes não é a casa que está assombrada, então por mais que você saia da casa, a assombração te acompanhará (eita, ficou pesado).

Então nada de achar que uma viagem será a resposta para todos seus problemas. Segura essa ppk.

 

  1. Foco e organização serão seus melhores amigos


 
Pratique o ritual de invocação da sua virginiana interior. O que pode ajudar muito é o velho ditado: um passo de cada vez. Assim, uma rotina mais regrada pode ajudar a estruturar melhor seus pensamentos: acordar cedo, fazer exercícios, voltar a cozinhar (se você curte cozinhar), ler aqueles livros que estão na pilha de pendências há alguns meses… Tem que pôr a cabeça para distrair, mas com foco. Então, a euforia da produtividade pode tomar conta da sua alma: você vai voltar a ter vontade, energia e iniciativa para começar uns mil projetos que sempre quis fazer. YAY!
 

YOU CAN DO IT!
 

  1. Agora deixe seu lado virginiana tomar conta!


 
Depois de por em prática o passo 4, a consequência disso é querer experimentar coisas novas que possam ajudar na sua terapia anti-ansiedade. Alguma das coisas que eu fui atrás e que podem ser incríveis nesse período:

Aprender a plantar e cuidar de suculentas
Aprender a fazer pão (e aqui vai uma dica maravilhosa: leia o blog da Neide Rigo)
Aprender a tricotar
Aprender a usar óleo de coco em tudo
 
 

  1. Não se frustre com o loop emocional


 
Você provavelmente vai viver um loop das etapas 2 e 4 porque, na minha experiência pessoal, a euforia e empolgação é sempre seguida por uma fase mais depressiva e melancólica. É difícil manter a empolgação e tocar tantos projetos em uma tacada só, se dê um desconto.

Pense como se fosse uma crise hipoglicêmica vinda de um efeito rebote depois de um diabético comer uma barra de chocolate.

É difícil.
 
 

  1. Respire


 
Muita gente que conheço não passou por nenhuma dessas etapas e são perfeitamente felizes e satisfeitas pegando alguns freelas e conseguindo tocar seus projetos pessoais no meio tempo.

Não tive essa benção e, às vezes, é muito difícil colocar as coisas em perspectiva e sair um pouco do olho do furacão para entender que o retorno de saturno para cancerianos é cruel demais.

A cobrança e a comparação são constantes e é só o que você consegue fazer. Soma-se isso com a culpa de não ser forte o bastante para transformar essa situação em uma oportunidade. O resultado disso é uma bagunça, pura bagunça.

Porém, é preciso lembrar: é ok se sentir uma merda numa situação bosta. Entender essa fossa é mais importante do que ficar desesperadamente tentando sair dela.

Respira. E força!


 

Colagem digital feita com exclusividade por Bárbara Malagoli (Baby C).
 

Escrito por
Mais de Fabi Oda

Guia Ovelha para a recém-desempregada

Se você está desempregada, cai pra dentro e receba esse abraço de...
Leia mais