Pornô feminista: orgasmos fora do padrão

Cena de um dos filmes da diretora Jiz Lee, "Threat".

Mulheres não assistem pornô. Mulheres não se excitam com pornografia. Errado! Muito errado! Talvez mulheres assistam menos pornô – supostamente – porque não existam pornôs suficientes que as representem. Que saibam atingir e representar o prazer feminino em sua beleza e complexidade. Mas isso está mudando, amigas! Graças às criativas mentes femininas, queer, trans, etc da indústria erótica.  Algumas dessas mentes brilhantes e revolucionárias estiveram na Premiação de Pornô Feminista, PorYes, que ocorreu lindamente no sábado, dia 17 de outubro, em Berlim.

 

Jennifer Lyon Bell e Buck Angel conversam antes do início da premiação
Jennifer Lyon Bell e Buck Angel conversam antes do início da premiação
 
Que mulheres são representadas de forma machista em filmes pornôs não é novidade e disso todo mundo que tem o mínimo de senso e que já assistiu pornografia uma vez na vida já se ligou. Mulheres são retratadas como passivas, objetos que estão lá para proporcionar prazer ao homem. Os corpos seguem um padrão de peitos grandes ou gigantes, bundas grandes e vaginas depiladas. Enquanto isso os homens são retratados muitas vezes como agressivos, insensíveis, com corpos mega malhados e pênis gigantescos. São imagens que pouco correspondem à realidade dos espectadores. Isso sem falar nas situações por vezes ridículas que resultam em sexo.

Foi numa tentativa de mudar isso e oferecer uma alternativa fora da pornografia mainstream é que os pornôs feministas surgiram. Neles, as mulheres são o público alvo e são representadas como seres ativos que exploram sua sexualidade de diferentes formas – como é de fato na vida real! E o mais importante: os cenários são montados para contar histórias em que tudo acontece de forma consensual e prazerosa pra todos os lados (enquanto muitos pornôs mainstream exploram a violência contra a mulher como um fetiche).

 

Cena do filme "Touch", uma co-produção de Gala Vanting
Cena do filme “Touch”, uma co-produção de Gala Vanting
 
A premiação PorYes foi criada em 2009 pela comunicadora e especialista em sexo e anatomia feminina Dr. Laura Meritt, com objetivo de apoiar essa revolução feminista contra a pornografia sexista e mainstream.  O evento acontece de dois em dois anos em Berlim e premia diretores, atores, produtores que consigam, com seus trabalhos, representar e alcançar o prazer feminino. São pessoas que influenciam a indústria de filmes eróticos de forma positiva. Os esforços para trazer o pornô mais próximo das mulheres foram surgindo dentro do Sex-Positive Movement e Sex-Positive Feminism que, entre outras coisas, abrange o sexo como algo saudável, consensual e que deve ser explorado de forma positiva e prazerosa a todos. Nessa experimentação de coisas novas, incluem-se também novas tendências criativas de pornografia, que explorem o imaginativo erótico – e por que não? – o prazer feminino.

 

Cena do filme "Shutter", dirigido por Goodyn Green
Cena do filme “Shutter”, dirigido por Goodyn Green
 
Achei lindo o que Laura Meritt falou ao apresentar o PorYes 2015, que teve como tema principal esse ano a transexualidade: “Trans é ultrapassar fronteiras, não só de personalidade, mas das normas de gênero e de corpo. É sair de categorias limitadas, colocadas por muitas produções pornográficas, como do que é um corpo bonito ou sexy e do que é ‘sexo bonito’”. Esqueça padrões de beleza esperados e gêneros engavetados em xx e xy ou whatever. Esqueça também aquele “good looking sex”. Nos pornôs feministas da mostra, padrões de beleza e gênero são quebrados com muita criatividade.

Logo depois da abertura feita por Laura e Ula Stöckl, cineasta pioneira na produção de filmes por mulheres para mulheres, foram passadas algumas cenas de um filme com uma mulher gordinha em uma cadeira de rodas que é masturbada por outra mulher; na próxima cena, outra mulher se senta em um pênis de borracha amarrado na perna da mulher na cadeira de rodas. A cena acontece em um cenário simples – a sala de estar de uma casa que parece até meio velha – e as atrizes não correspondem a nenhum padrão de beleza da indústria pornô – são gordinhas e tem marcas no corpo, como cicatrizes. Essas cenas são mostradas para exemplificar o que está sendo produzido fora da pornografia mainstream.

 

Cena do filme "Silver Shoes", de Jennifer Lyon Bell
Cena do filme “Silver Shoes”, de Jennifer Lyon Bell
 
Outro exemplo de produção alternativa são os filmes da primeira premiada da noite, Jennifer Lyon Bell. A diretora holandesa fundou a produtora de filmes eróticos Blue Artichoke Films, em que trabalha com o que é chamado de realismo emocional (emotional realism). O negócio é fazer a cena parecer o mais real possível, com emoções reais. “Sexo pode acontecer em diferentes contextos emocionais, não só de amor romântico, ou girly love, mas de nervosismo, alegria, excitação, etc”, diz Jennifer. Por isso, em seus filmes, as cenas de sexo acontecem em meio a uma relação entre os indivíduos – não necessariamente amorosa, de amizade, ou etc, mas algo que os liga por uma emoção – sejam eles completos desconhecidos ou não. Com técnicas como shot-reverse shot, que vai em volta focando no rosto e expressões dos personagens, e facial reaction shots, os filmes de Jennifer Lyon Bell tentam fazer com que os espectadores se sintam parte do ato. Essas são coisas presentes em seu filme premiado “Silver Shoes”, que conta três histórias relacionadas a um par de sapatos prateados e intercala cenas de sexo hetero, lésbico e de masturbação feminina.

 

Jennifer Lyon Bell recebe prêmio pelo filme "Silver Shoes"
Jennifer Lyon Bell recebe prêmio pelo filme “Silver Shoes”
 
O filme “Want some Oranges”, da dinamarquesa Goodyn Green, também me chamou muito a atenção na premiação. Uma das mulheres da cena está grávida e exerce o papel dominante, usando um cinto com a prótese de um pênis, com outra mulher. “Isso é para mostrar a mulher grávida em outro papel, um papel não convencional, e isso também é um fetiche”, explica Goodyn Green. Sobre o processo de filmagem, ela diz que monta a cena e deixa a câmera rodar. “O mais importante é os atores terem química entre eles, daí tudo vai acontecendo meio que por acidente”, diz a diretora e fotógrafa.

 

Goodyn Green ganha prêmio por tematizar androginia em seus projetos
Goodyn Green ganha prêmio por tematizar androginia em seus projetos
 
Mais premiados da noite foram Gala Vanting, Buck Angel e Jiz Lee. A australiana Gala Vanting é entusiasta de BDSM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) e produtora de filmes artísticos que exploram a imaginação erótica. Buck Angel, “the man with a pussy”, foi um dos pioneiros a fazer filmes pornôs como um homem trans. Ele explica que no início ninguém queria filmar com ele por o considerarem uma aberração, mas ele não se importou e criou sua própria produtora com filmes pornôs estrelando homens e mulheres trans. Buck Angel chorou ao fazer o discurso de agradecimento pelo prêmio PorYes 2015, quando falou de seu ativismo para passar conhecimento sobre transexualismo transexualidade e obter mais respeito aos transexuais.

 

Gala Vanting fala sobre seus projetos como cineasta e entusiasta de BDSM
Gala Vanting fala sobre seus projetos como cineasta e entusiasta de BDSM
 
Buck Angel recebe prêmio por sua contribuição na causa LGBT
Buck Angel recebe prêmio por sua contribuição na causa LGBT
 
Buck Angel foi pioneiro como homem trans na indústria pornô
Buck Angel foi pioneiro como homem trans na indústria pornô
 
Jiz Lee, que concedeu uma entrevista inteirinha para o Ovelha, recebeu o prêmio por último. Jiz Lee se considera pessoa genderqueer ou não-binária, ou seja, não se identifica como homem nem mulher ou como os dois. Os filmes em que atua representam isso muito bem, ao ultrapassar limitações de conceitos de mulher, homem, hetero ou homossexualidade. Recentemente, Jiz Lee lançou o livro “Coming Out as a Porn Star”, em que são contadas histórias de pessoas que trabalham na indústria pornô: como elas chegaram até ali, o porquê, o que elas fazem e como assumiram isso, ou não, para o mundo.

 

Cena de um dos filmes de Jiz Lee que foi mostrada na premiação
Cena de um dos filmes de Jiz Lee que foi mostrada na premiação
 
Ir na premiação foi uma experiência além das minhas expectativas. Em algumas poucas horas, conheci um mundo inteiro de coisas novas que exploram a sexualidade feminina de forma muito positiva e de mil e uma formas diferentes! O negócio é esquecer barreiras, categorias, padrões, e pensar no prazer. Sai de lá com esperança numa sociedade que discrimine menos a sexualidade feminina e grite mais: Viva la Vulva!*

 

Premiados reunidos ao final da noite
Premiados reunidos ao final da noite
 
* As garotas do Sex-Positive-Movement usam essa expressão para exaltar a sexualidade feminina e empoderar nossas vaginas. Laura Meritt saudou o público na abertura do PorYes 2015 com essa frase.

 

Créditos das fotos: Débora Backes e Polly Fannlaf © poryes

Escrito por
Mais de Débora Backes

Ouça: Cooly G.

Wait’Til Night é o segundo álbum em que Merrisa Campbel, conhecida como...
Leia mais
  • Pingback: Entrevista: Jiz Lee, porn star genderqueer | Ovelha()

  • Emily Eduarda Monteiro

    Aonde pode se achar o filme shutter, por exemplo?

    • Débora Backes

      Oi, Emily! Até onde eu sei, ele não está disponível para streaming gratuito… Para assistir inteiro, você precisa pagar uma taxa. Pelo menos, isso daqui da Alemanha. Tu pode ver se acha ele em sites como o PinkLabel.tv que disponibiliza filmes queer e feministas. ;)

  • Ana Rodrigues

    Por favor, substitua o termo “transexualismo” – que aparece uma vez no texto da reportagem – por transexualidade. Transexualismo remete à patologização da transexualidade e acredito que não seja essa a posição de Buck Angel.

    No mais, obrigada por relatar tal evento importantíssimo para a pornografia (trans)feminista!

    • devidamente alterado! obrigada!

    • Débora Backes

      obrigada pelo aviso! :) e desculpa ter trocado as palavras quando escrevi o post!

  • Darlam Nascimento

    Se puder substituir a palavra “transexualismo” por “transexualidade” seria massa.

    • substituimos já, obrigada! pode dar um “refresh” neste post (;

    • Débora Backes

      de novo, obrigada! :D

  • Bia

    Nossa, que bacana tudo isso! Eu nunca havia pensado na indústria pornográfica dessa maneira. De fato, uma das coisas que me irritam nos pornôs mais difundidos, é essa forma que você descreveu, horrível, de retratar as mulheres, sem falar nas cenas absurdas e ridículas da maioria dos pornôs, ou da irrealidade que eles representam. Mas, pensando que só existia esse modo de fazer pornô, me conformei. Adorei ter lido essa matéria. Faz a gente pensar que nada é feito de uma só forma, faz também valer que não, nós mulheres não somos objetos, assim como nenhum ser humano. E de como existe muito mais nessa indústria do que imaginava.
    Fiquei muito curiosa sobre tudo postado. De todos os premiados, o único que já havia ouvido falar foi o Buck Angel, de resto, pessoal novo pra mim.
    Ótima matéria!